Reabilitação e reintegração profissional de pessoas com doença oncológica

Intervenção de reabilitação profissional do CRPG

Após doença oncológica, seja pela própria doença, seja pelos tratamentos, as pessoas podem vivenciar várias alterações a nível físico, cognitivo, familiar, social, psicológico, emocional, existencial, ocupacional e profissional.

Estes impactos podem ser múltiplos e variar em função do tipo de cancro e de pessoa para pessoa.

Se vive com doença oncológica ou presta apoio a alguém com doença oncológica, já sentiu ou ouviu, com certeza, algumas destas preocupações:

“Estou preocupado/a com o meu futuro.”  

Sinto-me sem rumo na minha vida.

Tenho dificuldades em realizar várias tarefas. 

“Tenho dificuldades em aceitar as mudanças que ocorreram.”

“Sinto dificuldades em concentrar-me.

Canso-me com facilidade.”

Não consegui voltar às minhas rotinas.

Ainda não consegui voltar a trabalhar.

Reintegração profissional

É comum que após um período de ausência do mercado de trabalho, devido a tratamentos médicos e restrições físico-funcionais, a pessoa com doença oncológica passe por um novo desafio e uma nova realidade – a reintegração profissional.

As restrições físicas, cognitivas, psicológicas e emocionais que se mantêm após conclusão dos tratamentos podem afetar a capacidade de trabalho (dificuldade em desempenhar algumas tarefas ou impossibilidade de desempenhar a mesma profissão), dificultando a sua permanência ou reentrada no mercado de trabalho.

“… a maioria dos sobreviventes de cancro consegue permanecer ou regressar ao trabalho, mas (…), em termos globais, enfrentam um risco de desemprego 1,4 vezes superior da população em geral.” [1]

Por outro lado, sabe-se que a reintegração profissional promove a recuperação e reabilitação, minimiza os efeitos físicos, mentais e sociais, reduz o risco de incapacidade a longo prazo, promove a plena participação na sociedade e a independência, melhora a situação financeira, aumenta a atividade física e devolve o sentido de retorno à “normalidade”[2].

É neste contexto que surge uma nova resposta do CRPG, visando promover a reintegração na vida ativa e profissional das pessoas com diversidade funcional decorrente de doença oncológica.

Ação “Recuperação de Competências após Doença Oncológica

Destinatários:

  • Pessoas com doença oncológica estabilizada.
  • Em idade ativa, desempregadas ou empregadas.
  • Com limitações significativas num ou vários domínios da vida e necessidade de apoio especializado no âmbito da reabilitação profissional.


Objetivos:

  • Favorecer a adaptação da pessoa às sequelas da doença oncológica.
  • Promover o bem-estar físico e emocional.
  • Melhorar o desempenho cognitivo.
  • Desenvolver competências que permitam uma melhor adaptação e reintegração na vida ativa e profissional.
  • Facilitar o retorno ao trabalho bem-sucedido.
  • Promover a inclusão social, através de maior autonomia na mobilização dos serviços da comunidade e da reconstrução de redes sociais de suporte.


Estrutura:

Esta resposta é implementada por equipa multidisciplinar, composta por formadores com competências nas seguintes áreas:

  • psicologia,
  • fisioterapia,
  • terapia ocupacional.

Ocorre em regime presencial, nas instalações do CRPG, com a duração de 175 horas (2 meses aproximadamente), a tempo parcial.

Organiza-se em duas áreas de competências-chave, onde serão trabalhadas as dimensões emocionais, cognitivas, físicas e profissionais, cruciais para o bem-estar e retorno ao trabalho.

Reativação funcional para a vida ativa

  • Exercícios sensoriomotores, respiratórios e de coordenação
  • Princípios da higiene do sono
  • Técnicas de relaxamento
  • Estratégias para lidar com a dor
  • Equilíbrio ocupacional: gestão do tempo e de rotinas
  • Ergonomia e conservação da energia
  • Atenção, concentração e velocidade de processamento
  • Memória
  • Funções executivas
  • Processo de aprendizagem

Desenvolvimento psicossocial e reintegração profissional

  • Identificação das alterações decorrentes da doença oncológica e impactos
  • Autoconceito e autoestima
  • Atenção plena (mindfulness)
  • Estratégias de regulação emocional, gestão do stresse e promoção da resiliência
  • Comunicação assertiva
  • Serviços disponíveis na comunidade dirigidos a pessoas com doença oncológica e ativação de redes de apoio
  • Competências valorizadas no mercado de trabalho
  • Medidas de apoio ao emprego e formação

Experiências de trabalho – contexto de trabalho
Em entidades empregadoras – 300 horas
(para pessoas em situação de desemprego)

Previamente à frequência da ação, é efetuada com a pessoa uma etapa de avaliação dos impactos da doença oncológica na funcionalidade e potenciais de reabilitação. Com base nesta avaliação, é construído, numa parceira estreita entre a pessoa e os profissionais do CRPG, o seu plano individual.

Estas respostas, de avaliação e de formação, são financiadas pelas medidas públicas de reabilitação profissional, pelo que não têm custos para os clientes (exceto quando a responsabilidade pela reabilitação esteja cometida a outra entidade por força de legislação especial, nomeadamente no âmbito do regime das doenças profissionais).

⇒ Aceda ao folheto informativo Recuperação de competências após doença oncológica

Para obter mais informações ou manifestar o seu interesse nestes serviços, contacte-nos:

[1] Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho (2018). Reabilitação e regresso ao trabalho após o cancro — instrumentos e práticas.

[2] Waddell G, Burton AK. Is work good for your health and wellbeing? London: The Stationery Ofce (TSO); 2006. https://cardinal-management.co.uk/wp-content/uploads/2016/04/Burton-Waddell-is-work-good-for-you.pdf